i


...

- - -
- - -- -
- - - - - - -- - - - - EXEMPLAR..- -- - - -- -..B & B - -- - - - - - UM OUTRO BACH? - -- - TRUTAS

Isaac Stern toca Brahms

21.Jul.2007

SONATAS DE BRAHMS
Isaac Stern
(1920-2001)
.
SOM DO PROGRAMA
free music

.
.
Morreu em 2001 e faria hoje 87 anos o “enorme” nome do violino que foi Isaac Stern.
Virtuoso deslumbrante, trabalhador incansável da arte do violino, Isaac Stern emprestou a sua técnica e sensibilidade musical incomparáveis a quase todos os grandes compositores da grande música. Gravou ao todo, mais de cem discos.
Mas além de extraordinário violinista, Isaac Stern foi também um cidadão de elevado sentido humanista: Ficou célebre a sua recusa de tocar com o maestro Herbert von Karajan, em virtude da simpatia nazi do célebre regente da Filarmónica de Berlim, um maestro com quem qualquer músico pagaria para tocar…
Honrando a sua ascendência judia, Stern deu graciosamente um memorável concerto em Jerusalém em 1967, na comemoração da paz que se seguiu à Guerra dos 6 Dias. Executou magistralmente um Concerto para Violino e Orquestra de Mendelssohn, acompanhado pela Orquestra Filarmónica de Israel, sob a direcção de Leonard Bernstein. A performance, de resto, fez parte do filme “Uma Jornada em Jerusalém”.
Dos inúmeros concertos e peças que gravou – com as maiores orquestras e os maiores músicos do século – escolhemos para ouvir hoje duas sonatas de Brahms, um dos compositores que Isaac Stern mais incluíu no seu repertório.

Isaac Stern, que nasceu na Bielorrússia, foi levado para San Francisco com menos de um ano – e foi naquela cidade americana que fez toda a sua aprendizagem musical. Deu o seu primeiro concerto com orquestra aos 11 anos e aos 23 teve um estrondoso sucesso no mais faustoso e exigente palco dos Estados Unidos, o Carnegie Hall.
Foi mesmo, durante muitos anos, presidente do Carnegie Hall este prodigioso músico que, tendo sido o único grande violinista que fez toda a sua formação na América, viu a sua condição de “cidadão do mundo” reconhecida quando o governo chinês, para assinalar a sua abertura política em 1979, o convidou expressamente para se deslocar à China e interpretar um momento histórico que ficou registado no célebre documentário “De Mao a Mozart”.

Sonata nº 2 em Lá maior, op. 100, para Violino e Piano
Sonata para Clarinete em Mi bemol M, op. 120, nº2 (transcrita para violino por Brahms)
.
.
AMANHÃ
Carlos Paredes - o homem dos mil dedos
.
.
_______________________

*