i


...

- - -
- - -- -
- - - - - - -- - - - - EXEMPLAR..- -- - - -- -..B & B - -- - - - - - UM OUTRO BACH? - -- - TRUTAS

30 - Francis Poulenc

Janeiro/30

aniversário da morte de
Francis Poulenc
(1899-1963)


Concerto para dois Pianos - 1º and. (Allegro ma non troppo)
Orquestra Filarmónica de Berlim, maestro Simon Rattle
Pianistas Katia & Marielle Labèque

.
.
Francis Jean Marcel Poulenc, que nasceu em Paris a 7.Jan.1899 e viria a falecer em 1963, começou a compor aos 7 anos, quando o único professor de piano era a mãe. Aos 15 anos teve o seu primeiro professor de piano, que o encorajou a compor e o apresentou a Satie e Cocteau. Dois anos depois apresentou a sua Rapsodie Nègre tornou-se a divisa de uma corrente de compositores que alcançou a maior notoriedade em Paris: “Os Novos Jovens”.
Dos “Nouveaux Jeunes”, o crítico Henri Collete escolheu seis compositores, que ficaram a ser conhecidos por “Les Six”. Um deles era Poulenc. Os Seis deram concertos juntos, baseando-se num manifesto de inspiração no chamado “folclore parisiense”, isto é, nos músicos de rua, nos teatros musicais, nas bandas de circo.
A obra de Poulenc, no estilo dos Seis, chamou a atenção de Stravinsky e Diaguilev e veio a dar origem às suas obras mais conhecidas, as canções para voz e piano, sobre poemas de Apollinaire e de Paul Elouard, que de resto foi amigo pessoal de Poulenc. É uma obra eclética e ao mesmo tempo pessoal.
O Dicionário Oxford de Música classifica a música de Francis Poulenc como “essencialmente diatónica e melodiosa, embelezada com dissonâncias do século XX” e diz que tem talento, elegância, profundidade de sentimento e doce-amargo que são derivados da sua personalidade alegre e melancólica.

As Manas Maravilha
33.000 espectadores -----------------.................------com John McLaughlin (guitarra)
Orq. Filarmónica de Berlim / Simon Rattle --..........-..------- e Trilok Gurtu (percussão)
--.......---

----------------------------------------------------------------------------------------

*