i


...

- - -
- - -- -
- - - - - - -- - - - - EXEMPLAR..- -- - - -- -..B & B - -- - - - - - UM OUTRO BACH? - -- - TRUTAS

Pachelbel - Canon

2.Abr.2007

CANON
Johann Christoph Pachelbel
OUVIR A OBRA

.
Muitas das nossas crianças fizeram já a experiência de cantar em grupo o popular “Frère Jacques”, com as vozes desencontradas. A repetição “desencontrada” das várias vozes é o que se chama um Canon.
Na verdade, o Canon é uma forma de polifonia (isto é, música a várias vozes) que consiste na repetição desencontrada das várias vozes: uma das vozes entoa uma frase musical, que ao ser terminada pela 1ª voz é iniciada pela 2ª voz, depois pela 3ª voz, e assim sucessivamente.

É um Canon – porventura o mais famoso de todos – o que escolhemos para hoje escutarmos música com ambiente e influência religiosa, tão adequada à comemoração da Semana Santa e da Páscoa que se aproxima.
Trata-se do Canon de Pachelbel. Melhor dizendo, o célebre Canon em Ré Maior, para 3 violinos e violoncelo contínuo.

Johann Christoph Pachelbel viveu na segunda metade do século XVII, mais precisamente entre 1653 e 1706. É portanto, um compositor do período barroco.
Foi um notável compositor para órgão, predominantemente para músicas religiosas da Igreja Protestante alemã, muito influenciadas pelo seu conhecimento em música religiosa Católica, tanto da Áustria, como da Itália. Ocupou vários cargos de organista oficial e os dois filhos que deixou, Wilhelm Hieronymous Pachelbel e Charles Theodore Pachelbel, foram ambos também músicos e organistas.

O célebre Canon em Ré Maior, que vamos ouvir, foi escrito para 3 violinos e violoncelo contínuo – cabendo aos violinos entoarem desencontradamente a três vozes, enquanto o violoncelo contínuo assegura o acompanhamento no registo mais grave.

*