i


...

- - -
- - -- -
- - - - - - -- - - - - EXEMPLAR..- -- - - -- -..B & B - -- - - - - - UM OUTRO BACH? - -- - TRUTAS

Mozart - Requiem

6.Abr.2007

LACRIMOSA, DO REQUIEM
Wolfgang Amadeus Mozart
(1756-1791)
.
MÚSICA (3min09)
O. Filarmónica Berlim
Herbert von Karajan
.
.
Voltamos hoje a falar de Mozart – Wolfgang Amadeus Mozart – o “menino prodígio” que passou a infância a tocar nas cortes europeias do século XVIII (Lembremos que viveu apenas 35 anos, entre 1756 e 1791, tendo-se comemorado no ano passado os 250 anos do seu nascimento).
Apesar da sua breve vida, Mozart, que viveu numa época em que se compunha música para ocasiões determinadas (e por isso frequentemente por encomenda) criou algumas das mais famosas óperas e centenas de composições instrumentais.
Uma das últimas, senão mesmo a última obra que compôs foi o famosíssimo Requiem – ou, dizendo mais precisamente, a Missa de Requiem, em ré menor, K. 626

Março 1791. Bate à porta de Mozart um desconhecido, que recusa identificar-se. Encomenda-lhe um Requiem e dá-lhe um adiantamento do preço da obra. Mozart é entretanto chamado a Praga, para compor “A Clemência de Tito”, destinada a festejar a coroação de Leopoldo II. Ao entrar para a carruagem, o misterioso desconhecido aborda-o e pergunta pela encomenda (posteriormente, soube-se ser um: mensageiro do Conde Walsseg, que queria fazer crer ser ele o compositor de um requiem em memória de sua mulher. Mozart, desde o falecimento do pai dominado pela ideia obsessiva da morte e muito sensível ao sobrenatural acreditou que o Destino o advertia para escrever o seu próprio Requiem.

O Requiem de Mozart tem as diversas partes de uma missa (desde o Intróito à Comunhão, com o Kirie, o Sanctus, etc.), mas o seu acto talvez mais frequentemente lembrado e ouvido é a Lacrimosa, parte da sequência que se segue ao Kirie e antecede o Ofertório.
.
.
AMANHÃ
Liszt – Liebestraum #3, em Lá bemol
.
.
__________________________
VOLTAR À PÁGINA DE ABERTURA

*