i


...

- - -
- - -- -
- - - - - - -- - - - - EXEMPLAR..- -- - - -- -..B & B - -- - - - - - UM OUTRO BACH? - -- - TRUTAS

Pachelbel - Suite

29.Ago.2007

SUITE PARA 2 VIOLINOS E BAIXO CONTÍNUO
Johann Christoph Pachelbel

MÚSICA DO PROGRAMA

.
29 de Agosto é data de aniversário do nascimento do compositor Johann Christoph Pachelbel, que viveu na segunda metade do século XVII, mais precisamente entre 1653 e 1706.

Johann Christoph Pachelbel foi um notável compositor para órgão, predominantemente para músicas religiosas da Igreja Protestante alemã, muito influenciadas pelo seu conhecimento em música religiosa Católica, tanto da Áustria, como da Itália. Ocupou vários cargos de organista oficial e os dois filhos que deixou, Wilhelm Hieronymous Pachelbel e Charles Theodore Pachelbel, foram ambos também músicos e organistas.

Johann Christoph Pachelbel ficou célebre, principalmente, pelo seu Canon em Ré Maior, escrito para 3 violinos e violoncelo contínuo, a que já noutra ocasião dedicámos um programa.
Para hoje, escolhemos um excerto de uma outra importante obra do compositor, as 6 Suites para dois violinos e baixo contínuo.

Violinistas -Philipp Naegele e Andras Marton / Violoncelista Dan Lupu / Cravista-Klaus Preis
.
.
AMANHÃ
Samuel Barber - School for Scandal
.
.
______________________

Vaughan Williams - Greensleaves


27.Ago.2007

FANTASIA SOBRE "GREENSLEAVES"
Ralph Vaughan Williams
MÚSICA DO PROGRAMA

.
Homenageamos hoje o compositor Vaughan Williams, cuja morte ocorreu no dia 26 de Agosto de 1958 – fez ontem 49 anos, portanto.
Ralph Vaughan Williams foi um dos compositores mais significativos da música inglesa durante a primeira metade do séc. XX. Compôs sinfonias, música de câmara, ópera, música coral e banda sonora para filmes. Mas, embora tivesse formação clássica e actividade no domínio da música erudita, teve também grande apreço pela música de raiz popular e dita ligeira, à qual dedicou intensos e aprofundados estudos.
Para além de compositor e musicólogo estudioso, Vaughan Williams foi também pianista e violinista, embora dissesse de si próprio, a propósito dos seus estudos de piano, esta frase que ficou célebre: “o piano, mais valia que nunca o tivesse tocado e o violino foi a minha salvação musical”.
Questão de modéstia, está visto. Dele disse a crítica ser um dos mais característicos representantes da grande música inglesa, a par de Holst, Delius, Butterworth e William Walton. Muitos acharam na música de Williams um certo “sabor a Ravel”, que foi seu mentor durante uma temporada de 1908 em Paris – mas é curioso que ninguém viu nisso imitação e o próprio mestre francês dizia, referindo-se a ele: “foi o único dos meus alunos que não escreveu a minha música”.
A importância e o reconhecimento público da música de Vaughan Williams (que era parente de Charles Darwin) ficou patente nas honras de sepultura na Abadia de Westminster, depois de ser condecorado com a Ordem de Mérito e ter recusado a classe de Cavaleiro e a inerente atribuição do título de Sir.
Preferiu ficar conhecido como apaixonado pela tradição popular. Prova disso é o arranjo orquestral que deu ao tema “Greensleaves”, melodia tradicional que ajudou a tornar imortal também no ambiente da música erudita.
.
Orquestra Sinfonia de Londres, sob a direcção de John Barbirolli
.
.

AMANHÃ
Samuel Barber - School for Scandal
.
.

______________________

Seixas, Mozart, Bernstein

25.Ago.2007


Seixas, Mozart, Bernstein
free music

.
Se outras não houver, damos-lhe três razões para acreditar que a data de 25 de Agosto é uma data significativa na História da Música. Falaremos do nascimento de um dos mais célebres compositores do séc. XX; da morte de um dos mais notáveis músicos portugueses; e da estreia de uma das mais grandiosas partituras jamais escrita.
O nosso programa de hoje será dedicado a Leonard Bernstein, a Carlos Seixas e a Wolfgang Amadeus Mozart.

.
CANDIDE / WEST SIDE STORY
Leonard Bernstein
.
Comecemos por Bernstein, nascido em Lawrence, perto de Boston, faz hoje 89 anos.
Falamos de um dos mais versáteis e célebres músicos do nosso tempo, um famoso director de orquestra, que trabalhou como maestro titular da Filarmónica de Nova Iorque e como maestro convidado das mais famosas orquestras do mundo.
Músico de formação clássica e completa, Bernstein escreveu sinfonias, bailados, obras religiosas, duas óperas e, a par dessas criações mais convencionalmente eruditas, numerosas comédias musicais para a Broadway e banda sonora para o cinema.
A obra de Bernstein que tem sido a preferida do público é a abertura Candide. Estreou há precisamente 50 anos: O próprio Bernstein a dirigiu, na estreia em Janeiro de 1957, à frente da Filarmónica de Nova Iorque.
Se a Abertura “Candide”, que acabámos de ouvir, é geralmente tida como o seu ex libris, a verdade é que Leonard Bernstein foi popularizado, sobretudo na década de 1960, por dois eventos mediáticos que protagonizou de forma exemplar:
Um deles foi a apresentação televisiva dos “Concertos para Jovens”, programa em que divulgou a todo o mundo, de forma fácil e acessível, os principais segredos da música.
O outro foi o filme West Side Story, exibido em Portugal com o título “Amor sem Barreiras”, cujas canções o mundo inteiro entoou. “Tonight”, “Somewhere”, “America” e mais meia dúzia de temas musicais do filme viriam, de resto, a ser transformados pelo próprio Bernstein em Danças Sinfónicas que ficaram como obras de valor musical sem prazo de duração.
.
.
MINUETO + TOCATA
Carlos Seixas
.
A 25 de Agosto de 1742 morreu em Lisboa Carlos Seixas. Insigne representante da música portuguesa na época barroca, internacionalmente reconhecido, dele se diz ser “o Bach português”.
Carlos Seixas foi um brilhante improvisador e as cerca de 150 composições da sua autoria que chegaram até nós – tocatas, minuetes, fugas, peças religiosas – colocam-no entre os maiores compositores portugueses da História, nomeadamente no domínio da música de teclas.
.
.
MISSA EM DÓ MAIOR
Wolfgang Amadeus Mozart
.
No dia 25 de Agosto de 1783 Mozart estreou na Igreja de S. Pedro, em Salzburgo, a sua Missa em Dó Maior K.427.Uma das mais sublimes e grandiosas partituras da História da Música, a Missa em Dó Maior tem, segundo muitos, a envergadura da Missa em si menor de Bach.Na época em que a escreveu, Mozart achara a sua liberdade: casara com Constanze, libertara-se da tutela do pai e dera fim ao acordo que o prendia ao arcebispo de Salzburg. Fixado em Viena desde 1781, Mozart tornou-se autónomo no seio de um novo público. As maiores obras-primas produzidas pelo seu génio são deste decénio, marcado por êxitos e reveses, alegrias e humilhações.A Missa em dó menor foi a primeira peça religiosa que Mozart compôs sem encomenda e a última que escreveu. Só regressaria ao género com o famoso Requiem, em 1791, ou seja, no ano em que morreu.Mesmo na forma incompleta como sobreviveu, a “Grande Missa” brilha pela consistência e coesão de cada uma das suas partes, onde consagração e elevação se reúnem num discurso envolvente, edificando uma peça que nos ergue até à significação mais íntima da obra de arte.
.
INTERPRETAÇÕES NO PROGRAMA:
.
Leonard Bernstein
- Abertura de 'Candide'..Orquestra Filarmónica de Nova IorqueMaestro-Leonard Bernstein
- "Abertura" e "America" de "Amor sem barreiras"
..Rita Moreno, Richard Beyner

Mozart
- Kyrie, Credo, Sanctus e Benedictus de "Missa em dó maior, K. 427"
..Orquestra Sinfónica de Londres / Maestro-Colin Davis / Coro de John Aldis

Carlos Seixas
- Minueto em fá menor + Tocata em fá menor
..Pianista Maria Izrailevna Grinberg
.
.

PRÓXIMO PROGRAMA
Vaughan Williams - Fantasia sobre Greensleaves
.
.
_____________________
VOLTAR AO INÍCIO DE PmqP

Richard Yardumian

Agosto/15

aniversário da morte de
Richard Yardumian
(1917-1985)
MÚSICA (3min24)
.

.
Come Creator Spirit - Uma Missa Nova em Inglês (excerto)
Orquestra de Câmara de Filadélfia / maestro Anshel Brusilow
mezzo soprano Lili Chookasian
.
.
.
A 15.Ago.1985 faleceu o compositor americano Richard Yardumian, que nasceu em 1917.
Morreu no estado americano da Pensilvânia, onde também tinha nascido, embora filho de imigrantes arménios. A sua ascendência terá influenciado aquela que é talvez a sua principal obra: a Suite Arménia.

Yardumian compôs música coral, recitativos, sonatas e concertos para violino. Mas a sua obra mais famosa, pela polémica que causou na conservadora sociedade americana, foi “Vem, Espírito do Criador – Uma Missa Nova em Inglês”.

Rossini - O Turco em Itália

14.Ago.2007

O TURCO EM ITÁLIA
Gioachino Rossini
(1792-1868)
.
SOM DO PROGRAMA
(Locução: 1min40 / Música: 4min40)

.
Falámos há dias das famosas aberturas de Rossini. A elas voltamos hoje, assinalando o aniversário da estreia da ópera O Turco em Itália no Teatro La Scala de Milão, ocorrida a 14.Ago.1814.

Gioachino Rossini tinha então 22 anos. Nada de admirar, já que dois anos antes tinha já conseguido um grande sucesso, com a apresentação da farsa em um acto “A Escada de Seda”.
Umas décadas depois da sua morte – e não obstante a inegável grandeza de Guilherme Tell, O Barbeiro de Sevilha ou A Pega Ladra – a fama de Rossini viria a decair. A 1ª metade o séc.XX não foi particularmente gloriosa.

Mas a partir de 1960 houve um verdadeiro renascimento rossiniano – e o nome do compositor regressou ao lugar que por mérito lhe é devido.
Quanto às suas famosas aberturas, nem durante os anos de maior esquecimento deixaram de ser apreciadas e reconhecidas, na alternância das introduções moderadas com as brilhantes secções principais.

Orquestra Filarmónica Nacioal, dirigida pelo maestro Ricardo Chailly

.

AMANHÃ
Richard Yardumian - Come Creator Spirit
.
.

_______________________

Mozart - Pequena Serenata

10.Ago.2007

EINE KLEINE NACHTMUSIK
Wolfgang Amadeus Mozart
(1756-1791)
.
Faz hoje 120 anos que Mozart terminou a mais popular das suas obras sinfónicas.

Esta obra, que no catálogo do próprio Mozart aparece denominada Eine Kleine Nachtmusik – ou, se fizermos a tradução, Pequena Música de Noite, ou ainda Pequena Serenata – tornou-se logo, mal foi apresentada, a mais popular do compositor.
Ainda hoje parece ser assim, pelo menos no que respeita ao 1º andamento, o Allegro com cuja abertura começámos o programa de hoje. Desde há gerações, esta obra significa algo como “a essência de Mozart”
O motivo da Pequena Serenata quase não se consegue vislumbrar. À qualidade harmónica da composição – máxima mestria, que se manifesta discreta e quase imperceptivelmente – junta-se um encanto melódico muito especial, que eleva a obra àquele plano que só ocupam as peças rara e intemporais.
Ouviremos a seguir o 4º e último andamento, um Rondo, allegro.

Eine Kleine Nachtmusik (Pequena Serenata) em Sol Maior, K.525
Orquestra Filarmónica de Berlim / Herbert von Karajan
.
.
PRÓXIMO PROGRAMA
Jules Massenet - Thais
.
.
_______________________

Cécile Chaminade - Concertino

8.Ago.2007

CONCERTINO PIANO E FLAUTA
Cécile Chaminade
(1857-1944)
.
.
SOM DO PROGRAMA (7min28)
.
.
Homenageamos hoje mais um compositor, comemorando o aniversário de Cécile Chaminade. Parece nome de mulher? Pois é mesmo.

Faz hoje 150 anos esta francesa, que aos 10 anos foi ouvida por Bizet ao piano e mereceu dele a classificação de “Mozart no feminino”. O padre que influenciava a família é que não esteve pelos ajustes: entendia e recomendava que a pequena Cécile devia crescer para governar o lar, ser esposa e mãe.
Mas ela não contrariou o seu grande talento musical. Formou-se com aulas particulares de piano e acabou de ganhar fama animando tertúlias com a chamada música de salão. Bem humorada, charmosa, independente, Cecile Chaminade fez carreira como pianista, animando as soirées dos artistas mais libertinos de Paris.
Sempre inspirada na graciosidade mas também na liberdade e no romance no feminino, Cécile Chaminade escreveu 140 canções. A maioria inspira-se no folclore francês – mas em todas sobreleva o tom romântico que caracteriza a compositora.
Abandonou a carreira musical quando começou a I Grande Guerra. E ainda veria a II Guerra Mundial. Tinha 87 anos quando morreu no Mónaco, em 1944.

Concertino em Ré Maior, para Piano e Flauta
Pianista Phillip Moll / Flautista James Galway
.
.
______________________

Richter toca Beethoven


1.Ago.2007
BEETHOVEN
POR
Sviatoslav Richter
(1915-1997)
SOM DO PROGRAMA
free music

..
No dia 1 de Agosto de 1997 morreu o pianista Sviatoslav Richter.
Nome estranho, o deste ucraniano, filho de uma russa e um alemão. Mas a verdade é que quem gosta de ouvir piano, de olhar as montras de grandes discotecas, ou ler revistas musicais, ainda que seja só a capa. Dificilmente se fala de piano sem se falar de Sviatoslav Richter.
Os pais quiseram que ele aprendesse piano… embora não estivessem certos do seu talento. Ele aprendeu com facilidade, mas o instrumento que mais o apaixonava era a voz – e fez-se pianista acompanhador na Ópera de Odessa. Tinha então 15 anos.
Depois, o célebre Prof. Heinrich Neuhaus desanimou com a indisciplina e a irreverência dele no Conservatório de Moscovo. Mas Sviatoslav ganhou todos os primeiros prémios de piano.
Aos 25 anos deu o seu primeiro concerto público. Um tremendo sucesso.
Lançou-se a fazer leituras completamente novas das partituras mais difíceis para piano. Deixou o mundo boquiaberto.
Ao piano, tocava com intensidade, com sinceridade, com liberdade de interpretação, com virtuosismo.
Logo a seguir, o exército soviético, suspeitando da origem alemã da família, fuzilou o seu pai. 5 anos depois, o governo soviético conferiu-lhe o Prémio Staline. E logo a seguir o título de Artista do Povo.
Tocou piano durante 60 anos. Tocou tudo, tocou todos os compositores, tocou em todos os palcos e em todos os estúdios. Quando morreu, faz hoje 10 anos, disseram dele que nunca se tinha ouvido ninguém tocar assim.
Talvez isto fosse um exagero. Mas ninguém que goste de ouvir piano, de olhar as montras de grandes discotecas ou ler revistas musicais (mesmo que seja só a capa) ignora o nome do pianista Sviatoslav Richter.

Triplo Concerto, em Dó Maior, para Violino, Violoncelo e Piano, de Beethoven
Orquestra Filarmónica de Berlim, dirigida pelo Maestro Herbert von Karajan
Violinista David Oistrakh; Violoncelista Mstislav Rostropovich; Pianista Sviatoslav Richter

.
.
AMANHÃ
Enrico Caruso canta Pietro Mascagni
.
.
______________________

*